Outro dia vi uma chef vegetariana de Nova York dizer “Qualquer um consegue preparar um hamburguer, mas deixem os legumes pros profissionais”. Já escrevi sobre o assunto aqui e como acredito que todos deveriam saber preparar vegetais de maneira a extrair o máximo de sabor de cada um deles, continuo a série de posts “Como preparar…”.

Sei que parece piada explicar como preparar tomate. Esse é um vegetal que com certeza aparece com frequência na mesa de todos, vegs ou não. Ninguém precisa fazer um curso pra degustar tomate, basta cortá-lo, temperar com um pouco de sal, um fio de azeite e pronto. Ou comê-lo como uma maçã: sem tempeiros, às mordidas. Ou, se você tiver o gosto duvidoso de uma certa tia minha, comê-lo recheado com açúcar (atenção: isso não é um conselho!). Mas talvez vocês ainda não conheçam essas receitas, que são algumas das minhas maneiras preferidas de preparar esse legume (que é fruta) então resolvi publicá-las e aproveitar pra falar um pouquinho sobre tomate.

Não vou falar do quanto tomate é saudável porque acho que todo mundo já entendeu isso. Prefiro me concentrar em outro ponto: a qualidade. Sempre que vou à Natal fico impressionada com a péssima qualidade dos tomates vendidos na cidade. É praticamente impossível achar tomates maduros nas feiras ou supermercados. Depois de ter provado tomates maduros de verdade, que amadureceram no pé, é difícil engolir tomates verdosos e duros. Uma vez pedi a minha irmã mais velha pra comprar tomates pra uma receita que eu queria preparar, mas avisei que ela só devia comprar se eles estivessem bem maduros. Ela chegou em casa saltitante dizendo “Achei tomates beeeem madurinhos”. Qual não foi minha decepção quando abri o saco e encontrei tomates verdes, duros, quase secos e totalmente insípidos. Mas os tomates tinham uma coloração avermelhada, como se tivessem passado blush em um tomate verde, e isso tinha sido suficiente pra convencer minha irmã, que estava acostumada a comprar tomates da cor de alface. Não sei se no resto do país o pessoal tem mais sorte, por isso sempre insisto na importância de usar tomates verdadeiramente maduros quando publico uma receita com tomate aqui no blog.

Tive o prazer de provar tomates orgânicos e posso garantir que o sabor de tomates sem agrotóxicos e amadurecidos no pé é tão distante dos tomates de supermecado quanto o Polo Norte do Polo Sul. A aparência dos dois também é muito diferente. O tamanho e a forma dos tomates orgânicos variam muito e eles não são esteticamente perfeitos como os outros. Na foto acima vocês podem ver uma variedade local de tomates, que os agricultores palestinos cultivam em pequena escala. Perceberam como cada tomate é diferente do outro? Mas a perfeição está no sabor, não na aparência. Sei que poucas pessoas têm acesso à verduras orgânicas, ou podem comprar diretamente de um pequeno produtor (é o que faço aqui), mas tentem pelo menos comprar tomates maduros. Um tomate maduro é vermelho escuro, pesado e cede ligeiramente à pressão quando apalpado. E não tenha medo de comprar tomates com alguns defeitinhos, como os da foto (claro que tomates com vários furos e partes apodrecidas devem ser evitados). Quando vejo tomates “top models”, com uma aparência impecável, sempre penso que eles foram muito manipulados, e receberam muito agrotóxico, pra ganhar esse look perfeito. A natureza produz vegetais únicos (não uniformes) e ela aceita as diferenças que seriam consideradas como “defeitos’ pela indústria agro-alimentar.

Um tomate maduro e suculento pede pra ser degustado da maneira mais simples possível, pro sabor ser plenamente aproveitado. A primeira receita, que aprendi com um amigo israelense, mantén o fescor do tomate intacto e é deliciosa no café da manhã, acompanhada de uma fatia de pão integral com cereais ligeiramente torrado. A segunda receita usa um pouco de calor pra deixar os tomates ainda mais suculentos e concentrar o sabor.

 

Tomate ralado

Você pode espalhar esse tomate sobre fatias de pão ou mergulhar pedacinhos de pão nesse “molho”.

 2 tomates

½ dente de alho (ou mais, se você é fã de alho cru)

1cs de azeite

sal e pimenta do reino a gosto

Faça um corte raso na lateral do tomate e rale no ralo grosso. No início a pele do tomate oferece uma certa resitência, mas o corte expõe a polpa e facilita o processo. No final você terá a polpa ralada de um lado e a pele do tomate na mão. Descarte a pele e repita a operação com o outro tomate. Rale no ralo fininho (ou amasse) metade de um dente de alho e junte ao tomate ralado. Tempere com o azeite, sal e pimenta do reino a gosto e sirva imediatamente. Esse tomate é particulamente gostoso com fatias de pão rústico integral ligeiramente tostado. Rende duas porções.

 

Tomate cozido com cebola

Gosto de comer esses tomates com pão, mas essa receita também pode ser usada como molho pra pizza ou como recheio de torta salgada.

 4 tomates (bem maduros)

1 cebola pequena

2 dentes de alho

2cs de azeite

sal e pimenta do reino a gosto

Corte a ceboa ao meio no sentido vertical depois corte cada metade em fatias. Pique o alho. Corte os tomates ao meio, no sentido vertical, em seguida fatie cada metade (as fatias não precisam ser muito finas). Aqueça 1cs de azeite em uma frigideira pequena e refogue a cebola até ficar bem dourada. Junte o alho e cozinhe mais alguns minutos. Junte os tomates e cozinhe tampado, em fogo baixo, mexendo de vez em quando, até o tomate ficar bem macio. Pare o cozimento antes que ele se desfaça completamente. Desligue o fogo, tempere com 1cs de azeite, sal e pimenta do reino a gosto. Sirva quente ou frio. Rende 2-4 porções.