Faz muito tempo que estou devendo a uma amiga um post sobre as empresas de cosméticos que testam em animais. Eu queria escrever um artigo que tratasse não só da questão dos testes, mas também  da necessidade de cosméticos, do perigo que eles podem representar pra saúde e oferecer algumas alternativas práticas.

Quem conhece o significado do veganismo sabe que veganos tentam evitar, na medida do possível, todo e qualquer tipo de exploração animal. Infelizmente uma grande parte das empresas de cosméticos ainda testa seus produtos em animais, ou usam ingredientes de origem animal em suas fórmulas. Você não precisa ser vegano pra concordar que cegar coelhos pra desenvolver (mais um) rímel é algo extremamente cruel e totalmente desnecessário. Se você quiser se informar sobre testes em animais e vivissecção, no site da PEA (Projeto Esperança Animal) tem uma página inteiramente dedicada ao assunto. Eles também publicaram a lista de empresas brasileiras e internacionais que não testam em animais.

Outra questão que acho de extrema importância é saber que tipo de cosméticos colocamos no corpo. A pele é o nosso maior órgão e tudo que colocamos nela passa pelos poros e entra no organismo. Acredito que um hidratante sozinho não seja tóxico, mas imagine os ingredientes desse mesmo hidratante combinados com todos os outros cosméticos que usamos. Cosméticos passam por inúmeros testes de segurança antes de chegar ao mercado, mas por melhor que sejam as intenções do fabricante, é impossível testar todas as possíveis combinações do produto com outros cosméticos. Annie Leonard, a mente brilhante (e engajada) por trás do projeto Story of Stuff, fez um vídeo altamente instrutivo chamado “A história dos cosméticos”. Ela explica direitinho isso que acabei de falar e aconselho você a ver o vídeo imediatamente, pois a informação exposta é extremamente importante.

Ficou com medo? Eu também fiquei. Nunca fui uma pessoa fanática por cosméticos e desde que vim morar na Palestina diminuí ainda mais o número de produtos no meu banheiro. A oferta aqui é limitada e é quase impossível encontrar produtos de empresas que não testam em animais. Muitas pessoas criticaram o vídeo por expor um problema tão grave sem no entanto oferecer soluções. Alguns podem até pensar “Já que tem produtos tóxicos em tudo, não temos escolha e não podemos fazer nada”. A minha conclusão foi bem diferente. Certo, no momento cosméticos seguros, naturais e não testados em animais são difíceis de encontrar e bem mais caros do que os produtos convencionais. Mas será que realmente precisamos de um produto diferente pra cada centímetro quadrado do corpo? Eu conheço mulheres que usam sabonete pro corpo, sabonete pro rosto, xampu, condicionador, hidratante pro corpo, hidrante pro rosto, creme pras mãos, creme pros pés, reparador de pontas, máscara capilar, desodorante, perfume, protetor solar… Sem falar nos leave-in, creme pra rugas, creme pra olheiras, pra cutículas, pra celulite, pomada e mousse pra cabelo, tinta pra cabelo, máscara pro rosto, tônico facial, loção pra espinha…  E ainda tem a maquiagem!

Faça o seguinte exercício: vá até o seu banheiro/quarto e pegue todos os cosméticos que você usa diariamente ou ocasionalmente. Em seguida pegue uma folha de papel e escreva os ingredientes de cada um. Elimine os ingredientes repetidos e conte os que sobraram. O número é enorme, não é? Agora responda sinceramente: você realmente precisa colocar todos esses produtos químicos no seu organismo? Sei que sou suspeita pra falar, pois meu estilo de vida e meu trabalho não exigem muito da minha aparência, mas estou convencida que ninguém precisa disso tudo. Hoje os produtos que fazem parte do meu dia a dia se resumem ao realmente necessário. E, na contramão da tendência que descrevi acima, comecei a comprar cosméticos multiuso, pra diminuir o número de produtos químicos no meu corpo (e diminuir as combinações tóxicas com outros produtos), mas também pra simplificar a vida. Abaixo alguns dos meus preferidos.

Weleda é uma marca alemã totalmente vegana. Esse produto pra bebe serve pra lavar o corpo, rosto e cabelo. Prático no dia a dia e ainda mais pra viajar.

Planter’s é uma marca italiana que também só usa ingredientes de origem vegetal e não testa em animais. Esse creme, à base de aloe vera, serve pro corpo, rosto e mãos (pés também). Um dos melhores hidratantes que já usei.

Mas melhor ainda do que o hidratante da Planter’s é esse produto mágico: manteiga de karitê. Serve pra hidratar o corpo, rosto, mãos, pés, cabelos e lábios. Também acalma a pele depois da depilação. E o melhor de tudo? Só tem um ingrediente, que além do mais é orgânico e totalmente natural. Pra mim isso sim é que é cosmético.

Durante alguns meses, os únicos cosméticos que usei foram o sabonete/xampu da Weleda e manteiga de karitê, além de desodorante e pasta de dente (mais sobre esses dois produtos depois). Eu não uso perfume nem maquiagem (tirando raríssimas exceções). Mas quando eles acabaram tive que encontrar outras soluções. Atualmente uso um xampu sólido totalmente vegetal e orgânico (comprado em uma loja de produtos orgânicos na França), que é o melhor xampu que já usei até hoje.

Pode parecer estranho um xampu com cara de sabonete, mas garanto que funciona. A vantagem maior é que sendo sólido ele é mais compacto, o que economiza embalagem e energia no transporte. Depois que a manteiga de karitê acabou comecei a usar óleo de coco virgem e orgânico.

Tudo o que tenho a dizer é que é um produto milagroso. Além de ser ótimo pra saúde ele tem ação antibacteriana e rejuvenesce a pele.  Uso só no rosto, mas ele pode ser usado no corpo, lábios e cabelos. Minha pele é mista, mas descobri que usar óleo nela não a deixa mais gordurosa, pelo contrário. Parece que se tiver óleo vindo do exterior a pele entende que não precisa mais produzir tanto óleo. O único defeito é ter aquele cheirinho característico de coco, que é uma delícia na comida, mas nem tanto na pele. Descobri que misturar com uma gotinha de óleo essencial de lavanda ajuda, mas de todo jeito o cheiro de coco desaparece quase totalmente alguns minutos depois da aplicação. E falando em óleo essencial…

Eles são indispensáveis pra mim. Uso pra curar enjoo, dor de garganta e resfriado, além de tratar de problemas da pele (óleo essencial de tea tree é poderosíssimo pra secar espinha), perfumar o ambiente… Uso até em alguns pratos.

Os produtos que mostrei até agora não são vendidos no Brasil, mas existem cosméticos brasileiros que também são naturais, veganos e seguros (não esqueça de conferir a lista das empresas que não testam em animais no site da PEA). Na minha última visita ao Brasil voltei com alguns sabonetes da marca Granado (isso mesmo, aquela do talco pra chulé).

 

Eles são vegetais, suaves e têm um cheirinho ótimo. Moças, aqui vai uma dica: o sabonete tradicional (líquido) tem o ph neutro e é perfeito pra higiene íntima. Recomendação da ginecologista de uma prima, mas que eu gostaria de repassar pra todas as damas lendo esse blog, pois ele é realmente ótimo. Esses sabonetes são baratos e você encontra em qualquer supermercado grande. (A Granado não me deu dinheiro pra fazer propaganda pra eles, estou recomendando porque realmente adoro esses produtos.)

Como escrevi mais acima, existem soluções, sim. O primeiro passo a ser dado é avaliar as suas necessidades. Tenho certeza que você consegue ficar bonito/bonita sem todo esse arsenal de cosméticos. E, sinceramente, não vale a pena melhorar a aparência hoje se o resultado será um organismo doente mais na frente. O segundo passo é parar, na medida do possível, de comprar produtos fabricados por empresas que testam em animais. Parece difícil, mas têm várias empresas conhecidas que não testam em animais, então você não ficará sem opção. Alguns exemplos: Água de Cheiro, Bioderm, Contém 1g, Davene, Farmaervas, Racco, Granado, Ox, O Boticário, Natura, Leite de Rosas, Revlon… Com essas duas ações simples, que estão ao alcance de todos, você estará diminuindo consideravelmente a quantidade de tóxicos que entra no seu organismo, além de ajudar a construir um mundo mais ético reduzindo o sofrimento inútil dos animais nos laboratórios.

Mas se quiser ir mais além, aqui vão mais duas dicas. Escolha, sempre que puder, cosméticos naturais e orgânicos, como os que mostrei acima (ou equivalentes brasileiros encontrados em lojas de produtos orgânicos). Eles são mais caros, sim, mas se você passar a usar só 6 cosméticos ao invés de 12, vai sobrar dinheiro pra investir em produtos de qualidade. E se você for uma guerreira verde como eu, talvez queira dar o quarto passo que é: fabricar seus próprios cosméticos com produtos naturais. Parece excêntrico, eu sei, mas na prática é bem simples, eficaz e muito mais barato.

Se o assunto te interessou, aguarde o próximo post, onde darei a receita do desodorante e da pasta de dentes que fabrico na minha cozinha e que uso há mais de um ano. Garanto que esses produtos funcionam direitinho e ainda são seguros (foram testados nos humanos daqui de casa).